7 de setembro de 2018

Conheça as causas da halitose

O mau hálito, também conhecido como halitose, causa constrangimento e pode ser fonte de ansiedade. Alguns alimentos, hábitos de higiene e até doenças estão entre as causas da halitose.

Em muitos casos, você pode melhorar seu mau hálito simplesmente adotando técnicas de higiene bucal mais consistentes, como a escovação dos dentes, do fio dental e a limpeza da língua. Mas se estes cuidados não resolverem o problema um especialista deve ser consultado.

No SPA Odontoville, a Dra Melyssa Félix é a profissional credenciada para atender os pacientes com queixa de halitose. Membro do Centro de Excelência de Tratamento de Halitose (CETH), Melyssa destaca que 90% dos casos de halitose são provenientes de problemas relacionados à cavidade bucal, mas em alguns casos, o mau hálito pode estar relacionado a outros fatores como diabetes, problemas no pulmão, intestino ou rins, fumo, deficiência de vitamina A e D e pouca produção de saliva. Alguns medicamentos para depressão, emagrecimento e pressão alta, podem levar a alterações na saliva que favorecem o aparecimento da halitose. Por isso é importante procurar um especialista para determinar as causas e o tratamento adequado.

Sengundo Dra. Melyssa, as bactérias presentes na boca são capazes de produzir compostos com odor desagradável. “Se a higiene oral for feita de forma incorreta, essas bactérias se proliferam descontroladamente produzindo compostos que têm em comum a presença de enxofre, gerando o mau hálito”, declara.

A língua merece destaque, pois quando não higienizada corretamente, ocorre o acúmulo de resíduos e células mortas, resultando na formação de saburra lingual, um meio ideal para a proliferação de bactérias capazes de produzir compostos sulfurados. Doenças como gengivite e periodontite são, da mesma forma, associadas uma higiene bucal deficiente e à presença da halitose. A halitose também pode ocorrer devido ao acúmulo de restos malcheirosos nas amídalas ou com a inflamação delas. Nos quadros de sinusopatias pode ocorrer halitose temporária.

A especialista alerta para o cuidado que se deve ter com pacientes hospitalizados que apresentem quadro de halitose. “Em pacientes pós-cirúrgicos ou internados em UTIs, a higienização se torna mais difícil e isso favorece a proliferação de bactérias que podem resultar no aparecimento de infecções pulmonares.”

O diagnóstico da halitose é feito com o aparelho Oral Chroma, utilizado para medir os compostos sulfurados voláteis – gases que provocam mau hálito. O Oral Chroma consegue detectar a presença dos três principais gases presentes na cavidade bucal, mede seu grau de intensidade e a presença ou não da halitose. “A medição leva apenas 8 minutos e nos fornece um laudo preciso que nos permite diagnosticar a presença ou não da halitose, suas causas e a sua intensidade”, explica Melyssa.

Caso você seja portador de halitose e se sinta incomodado com seus sintomas, não deixe de procurar um especialista. A Dra Melyssa Félix atende no SPA Odontoville, que fica no Center IV, salas 217 e 218. Telefone 3547-3116 / 98422-2795 / 99941-9954.